Modelo de Jogo da Itália de Cesare Prandelli – Organização Ofensiva (1-4-3-1-2)

O Selecionador Italiano (Cesare Prandelli) é adepto de se trocar muitas vezes o Sistema de Jogo de acordo com adversário a defrontar. No entanto o seu Sistema de Jogo favorito é o 1-4-3-1-2:

1-4-4-2 Losângulo

Utilizando o software desportivo TacticalPad (https://www.tacticalpad.com/tacticalpad/compra.php) iremos caraterizar este Momento de Jogo da equipa Italiana.

Como Grande Princípio de Jogo para a Organização Ofensiva a Itália adota a “Posse e circulação da bola para atrair adversários para a zona da bola e posterior aproveitamento dos espaços libertados nas suas costas, com colocação da bola em profundidade“.

SubPrincípios da 1ª Fase – Construção do Jogo Ofensivo (quando a bola está no setor defensivo):

– Preferência pela “Construção Curta” desde trás (sempre que possível) com entrada da bola num dos Defesas Centrais. Boa ocupação do espaço de jogo em largura e em profundidade (tornar o campo o maior possível). Centrais abertos ao lado da grande área; Pivot na zona central junto à grande área; Defesas Laterais junto à linha lateral; restantes 3 Médios junto à linha de meio-campo e 2 Pontas de Lança no meio-campo da equipa adversária.

1ª Fase - Boa ocupação do espaço de jogo

– “Concentração Ofensiva” da equipa no local de saída da bola – aglomeração no corredor em que está a bola pela maior parte dos jogadores (excepto Defesa Central e Defesa Lateral do lado oposto) para em seguida aproveitar os espaços livres no corredor contrário.

1ª Fase - Concentração no local da bola

– “Construção Longa” se a equipa adversária realiza uma forte pressão. Colocar a bola num dos Pontas de Lança que a desvia para a entrada do seu parceiro de ataque ou então domina a bola e tabela com os Médios que o apoiam desde trás.

1ª Fase - Construção Longa - 2ª Bola1ª Fase - Construção Longa - Desvio PL

– Circular a bola pela linha defensiva (levar a bola de um corredor ao outro), sendo o Guarda-Redes uma opção de passe para se evitar a pressão da equipa adversária.

1ª Fase GR como opção para circular

– Entrada da bola no Pivot (preferencialmente nas costas dos avançados que pressionam os 2 Defesas Centrais) para este organizar o jogo – colocar a bola num ou noutro Defesa Lateral. Muito importante: se estiver pressionado não deve tentar virar-se de “frente para o jogo” após receber a bola.

1ª Fase - Colocação no PV para rodar

– Colocação da bola num dos 2 Pontas de Lança (o que estiver do lado da bola) por um dos 4 Defesas, preferencialmente com a bola pelo solo com Médios a aproximarem-se rapidamente do atacante para darem continuidade à ação ofensiva (entrada dos Defesas Laterais junto às linhas laterais).

1ª Fase - Colocação no PL local

SubPrincípios da 2ª Fase – Criação de Situações de Finalização (quando a bola está no setor intermédio):

– Apoios constantes ao portador da bola (criação de linhas de passe – losângulos e triângulos) através da movimentação para as zonas em seu redor. Após atrair os adversários para a zona da bola, colocá-la para a entrada do Defesa Lateral do lado oposto.

2ª Fase - Concentração Ofensiva em Redor da Bola

– Preenchimento dos espaços centrais do terreno de jogo (colocação dos 4 Médios preferencialmente nas zonas centrais) de forma a favorecer-se a manutenção e circulação da bola pelo centro e libertar as zonas laterais para a entrada dos Defesas Laterais (que são os responsáveis por fazer “Campo Grande”).

2ª Fase - Laterais fazem Campo Grande

– Pivot como referência principal (farol) para a organização do jogo ofensivo, sendo uma opção constante de passe (movimentando-se sempre para as zonas em redor da bola). Após receber a bola e consoante a sua leitura da situação opta por colocar em profundidade para a entrada de um dos Defesas Laterais ou então para a desmarcação de 1 dos Pontas de Lança nas costas da defesa adversária.

2ª Fase - Pirlo como Organizador de Jogo

– “Cobertura Ofensiva” ao Ponta de Lança que recebe a bola, por parte dos Médios mais adiantados, de forma a possibilitarem linhas de passe e a continuidade da ação de ataque.

2ª Fase - Apoio ao PL que recebe a bola

– Combinações em progressão pelo corredor central, aproveitando a grande aglomeração de jogadores atacantes nessa zona, com posterior aproveitamento dos espaços libertados nos corredores laterais.

2ª Fase Jogo em Profundidade

SubPrincípios da 3ª Fase – Finalização (quando a bola está no setor ofensivo):

– Grande sintonia entre os 2 Pontas de Lança (capacidade para se associarem de forma a ultrapassarem os defesas da equipa adversária).

3ª Fase - Combinação entre os PL 13ª Fase - Combinação entre os PL 23ª Fase - Combinação entre os PL 3

– Desmarcação de rutura dos Médios desde linhas recuadas após entrada da bola num dos Pontas de Lança.

3ª Fase - Entrada de um Médio desde trás

– Progressão individual com a bola por parte dos Pontas de Lança quando em situação de igualdade numérica 1×1 (temporária), sem receio de tentar driblar os adversários.

3ª Fase Progressão

– Tabelas para finalização, entrada dos atacantes desde os corredores laterais para o central após combinação com o Ponta de Lança mais próximo.

3ª Fase - Tabelas com PL para finalização

– Ocupação dos espaços dentro da grande área para finalização por um grande número de jogadores (pelo menos quatro). As zonas a ocupar estão definidas (1º poste, 2º poste, marca de grande penalidade e entrada da grande área) mas os jogadores não (qualquer um pode ocupar uma zona, consoante a leitura e posicionamento aquando do cruzamento).

3ª Fase - Ocupação de Zonas de Finalização

– Tentar finalizar todas as jogadas (remate) de forma a permitir que a equipa se reorganize defensivamente e não seja “apanhada” em desequilíbrio.


ADD IT TO YOUR NOTEBOOKS!

You need to login or register to bookmark/favorite this content.


YOU CAN BE INTERESTED IN

Bookmarked By

By TacticalPedia

The most comprehensive Encyclopedia for Football Coaching From Coaches to Coaches

Leave a Reply