Portugal (0) Alemanha (4) – No futebol nem sempre são 11 contra 11, mas normalmente a Alemanha ganha a Portugal.

Ontem assistiu-se a uma vitória estrondosa da Alemanha frente a Portugal (a maior derrota de sempre da Seleção) em fases finais do Campeonato do Mundo.

Ambas as seleções iniciaram a partida com o mesmo sistema de jogo (1-4-3-3), mas como já vimos isso pouco importa, o mais importante são os Princípios de Jogo de cada equipa e a dinâmica dos jogadores na interpretação das Ideias do Treinador (ideias essas que podem ser boas ou más, ajustadas ou desajustadas aos jogadores e à equipa adversária).

Através do software desportivo TacticalPad, analisámos alguns “pormaiores” desta partida do Mundial FIFA Brasil 2014…

Portugal

Alemanha

1. Começamos com uma imagem muitas vezes vista durante o jogo, Lateral em situação de igualdade numérica com o Extremo adversário:

Como podemos observar, João Pereira encontra-se completamente sozinho perante Gotze dentro da grande área.

1x1 com Lateral

Um dos Princípios Fundamentais do Jogo de Futebol em Organização Defensiva é a “Cobertura Defensiva” (ao companheiro que se opõe ao portador da bola), totalmente ausente durante a maior parte do jogo da Seleção Portuguesa.

Outro aspeto fundamental quando em Organização Defensiva é os jogadores “estarem” (isto é, ocuparem previamente os espaços mais perigosos dentro da grande área) e não “chegarem” (como acontece com Portugal).

2. Excessivamente dependentes de Cristiano Ronaldo:

ProgressãoMiguel Veloso recuperou bem a bola a Lahm e em seguida em vez de progredir com a bola para o centro do terreno de jogo para atrair o Central que estava mais próximo de Hugo Almeida, passando-lhe a bola em seguida, ficando este isolado perante o Guarda-Redes alemão, optou por colocar a bola para o corredor esquerdo para a entrada de Cristiano Ronaldo, afastando a bola do corredor central e desaproveitando a superioridade numérica existente.

Esta teria sido a opção mais acertada:

Progressão 1

Aqui fica mais uma vez constatada a importância de todos os jogadores da equipa de futebol passarem no treino por situações de superioridade, igualdade e inferioridade numérica nomeadamente ao nível da abordagem dos Princípios Fundamentais do Jogo de Futebol (neste caso a Progressão com a bola pelo espaço livre e colocação no companheiro quando houver a atração do adversário para o espaço da bola).

Em baixo está exemplificado um Contexto de Exercitação em que numa situação de superioridade numérica temporária, os atacantes têm 5 segundos no máximo para marcarem golo (tomando as melhores decisões: progredir com a bola para o corredor central até atrair o adversário e em seguida libertar no companheiro) enquanto os três defesas (um deles partindo de uma posição mais atrasada) com a ajuda do Guarda-Redes o tentam evitar.

3. Guarda-Redes tendo a bola “fora da baliza” coloca-a no corredor central:

Fora da balizaOs Guarda-Redes devem ser ensinados desde muito cedo que quando estão colocados “fora da baliza” e são portadores da bola, não a podem colocar no corredor central (“à sorte”) sem terem uma clara linha de passe para um companheiro. Muitas vezes o melhor será nesta situação colocar a bola fora.

4. Ausência de pressão ao portador da bola e entrada da bola no espaço “entre-linhas” (entre a linha defensiva e a linha média):

Espaço Central aberto

ESpaço Entre linhas

Como podemos ver nas imagem anteriores, os portadores da bola tiveram todo o tempo do mundo para escolher a melhor opção (situação recorrente durante toda a partida), havendo constantemente um jogador alemão completamente livre para receber a bola no espaço “entre-linhas” (entre a linha defensiva e a linha média de Portugal).

5. “Campo Grande” a defender (consequência da marcação defensiva com referência individual):

Falta de Unidade Defensiva

Má Organização Defensiva

Um dos Princípios Fundamentais do jogo de Futebol quando em Organização Defensiva é a Concentração (colocar a maior parte dos jogadores da equipa que defende nas zonas próximas da bola), no entanto Portugal utiliza um método defensivo em que a marcação individual é predominante. Assim sendo, os jogadores alemães ao “abrirem o campo” (Principio Fundamental da Organização Ofensiva) fizeram com que os jogadores portugueses também o fizessem, o que facilitou o desenrolar do ataque alemão (menor concentração de jogadores defensivos na zona em redor da bola). Contra equipas com jogadores tecnicamente mais fracos isto pode resultar, mas contra jogadores de topo do futebol mundial isto raramente dá bons resultados.

6. Fintar como “último homem” da linha defensiva:

Fintar como último homem

Na imagem anterior temos mais uma lição dada por Pepe para os Defesas Centrais jovens (e não só) de todo o mundo: “não tentar fintar o adversário quando se é o último homem da linha defensiva”. Os Defesas Centrais devem cada vez mais ter uma boa capacidade técnica, que lhes permita conduzir a bola com facilidade. No entanto devem perceber que só devem progredir com a bola quando têm espaço livre à sua frente sem adversários, libertando a bola para um colega melhor posicionado assim que ficam pressionados.

A seguir é demonstrado um Contexto de Exercitação para se treinar a condução da bola por parte dos Centrais perante a oposição de 1 Avançado. Numa situação de GR+2×1, os Defesas Centrais tentam ultrapassar a linha final do avançado (linha de mecos laranjas) em condução da bola, tendo a obrigatoriedade de passar a bola para trás (tipo rugby). Aqui eles devem atrair o avançado para a zona da bola e em seguida passar ao colega que está por trás a dar cobertura ofensiva e assim sucessivamente até terem espaço livre à sua frente para atingir o objetivo. Se o avançado recuperar a bola pode tentar marcar golo na baliza regulamentar defendida pelo Guarda-Redes.

7. Lateral próximo do Extremo para criar desequilíbrios:

Como mesmo um relógio avariado está certo duas vezes por dia, Portugal demonstrou (poucas vezes neste jogo, mas muitas nos jogos anteriores) uma dinâmica que pode trazer bons resultados. Falámos da proximidade entre o Lateral e o Extremo no lado contrário ao da bola e em zonas avançadas.

Lateral próximo do Extremo

Como podemos visualizar na imagem anterior, Nani recebe um passe longo do outro corredor ficando numa situação de 1×1 com o Lateral adversário. João Pereira próximo de Nani neste momento faz a sobreposição “por fora” deixando o Lateral alemão em dúvida, o que foi aproveitado por Nani para o ultrapassar “por dentro” e rematar com muito perigo à baliza alemã. Esta sobreposição do Lateral ao Extremo com bola pode ser realizada “por fora” ou “por dentro” atuando em seguida o Extremo de acordo com a situação.


ADD IT TO YOUR NOTEBOOKS!

You need to login or register to bookmark/favorite this content.


YOU CAN BE INTERESTED IN

Bookmarked By

Leave a Reply