Tarefa Para Trabalhar a Potência Aeróbia

Potência Aeróbia

Autor: Rafael Hackbarth 

            É certo afirmar que uma boa base aeróbia como passos prévios para os posteriores esforços anaeróbios se mostram bastante importantes.

Com este artigo pretendo abordar uma perspectiva prática de trabalho para a potência aeróbica no desporto do futebol, no qual se apresenta como uma manifestação de resistência extremamente importante para os futebolistas do alto rendimento.

Apesar de que na literatura possamos encontrar vários trabalhos sobre a preparação física do futebolista, antes de montar qualquer trabalho devemos levar em conta à especificidade do mesmo.

No momento atual estamos vivenciando em nosso esporte uma excessiva especificidade na preparação física, principalmente quando falamos de ‘Esportes Coletivos, por isso é fundamental levarmos ao ambiente de treino os mesmos comportamento/formações/ações/atitudes que queremos de nossos atletas no jogo.

A potência aeróbia se caracteriza como a capacidade de o futebolista realizar trabalhos físicos através da utilização da via aeróbia com a maior intensidade possível.

Veja o quadro abaixo:

CAPACIDADE DE

RESISTÊNCIA

TEMPO DE TRABALHO

TEMPO DE RECUPERAÇÃO

REPETIÇÕES

NÚMERO DE JOGADORES

ESPAÇO DE JOGO

Capacidade aeróbica

+8

2 -3

1-2

6×2; 7×2 ; 8×2

8x8m; 10x10m.

Potência aeróbica

3-8

3-4

2-3

7×2 ; 7×3; 6×4

10x10m; 12x12m.

Capacidade anaeróbica láctica

45”-2

2-4

4-5

2×2 + 2 ; 3×3 + 3

15x15m; 20x20m.

Potência anaeróbica láctica

25”-45”

2-4

4-5

2×2 + 2 ; 3×3 + 3

20x20m: 25×25 m.

Capacidade anaeróbica alática

10-25”

1-2

16-20

3×1; 4×2

20x20m; 25×25 m.

Potência anaeróbica alática

3”-10”

45”

16-20

3×1; 4×2

20x20m: 25×25 m.

OBJETIVO FISIOLÓGICO

DURAÇÃO DO TRABALHO

EFEITOS FISIOLOGICOS

POTÊNCIA ALACTICA (PAL)

0 – 10 “

Pico da degradação do fosfato de creatina. Logro da potência metabólica máxima.

CAPACIDADE ALACTICA (CAL)

0 – 20″

A duração mais longa na que a potência alactica pode manter-se próxima ao máximo.

POTÊNCIA LACTICA (PLA)

0 – 45″

Pico de obtenção do ritmo máximo produção de lactato.

CAPACIDADE LACTICA (CLA)

1′ – 3′

Duração mais longa na que a glicólise permanece válida como fonte principal de obtenção de energia.

POTÊNCIA AEROBICA (PAE)

2′ – 3′

O menor tempo em que podemos obter o máximo consumo de oxigênio.

CAPACIDADE AEROBICA (CAE)

2′ – 10′

A duração de mantimento do consumo máximo de oxigênio.

EFICIENCIA AEROBICA (EAE)

10′ – 30′

Velocidade que corresponde ao AUN.

Agora visualize uma tarefa, em que busco trabalhar a Potência Aeróbia numa Sessão De Treinamento:

 Potência Aeróbia
Bobinho/Rondo De 6X2:

 

Objetivos: Propiciar Uma Melhora Gradativa Na Potência Aeróbia.

Adaptação Biológica: Força Específica – Potência Aeróbia.

 

Descrição:

– Bobinho/ Rondo De 4 X 2

– Cada vez que um futebolista toca na bola deverá correr e encostar com uma de suas mãos um dos cones situados fora do quadrante.

– Os “Defensores” permanecem na posição até terminar o tempo estipulado de trabalho e após isso, fazemos as trocas dos Defensores.

– Procurar posicionar várias bolas no local do exercício, facilitando maior continuidade das ações e intensidade do exercício.


ADD IT TO YOUR NOTEBOOKS!

You need to login or register to bookmark/favorite this content.


YOU CAN BE INTERESTED IN

Bookmarked By

By TacticalPedia

The most comprehensive Encyclopedia for Football Coaching From Coaches to Coaches

Leave a Reply